PV realiza mais uma jornada nacional da marcha contra a liberação de agrotóxicos no país

marcha_6

A “Marcha Agrotóxico Mata”, idealizada pelo Partido Verde, movimentou centenas de pessoas em cidades e capitais do Brasil neste domingo, 18 de agosto. Na capital paulista o ato ocorreu no bairro Vila Madalena, na tradicional Feira da Vila, e contou com a presença de dirigentes e militância verde, artistas, ativistas e estudantes oriundos da capital e de cidades da Grande São Paulo. O ato contou com a presença do presidente nacional do PV, José Luiz de França Penna; e Patrícia Penna, do PV Mulher.

Dentre as cidades que realizaram ações hoje da “Marcha Agrotóxico Mata” estão Itanhaém, Santos, Araraquara, em São Paulo. No Rio de Janeiro as ações ocorreram na praia de Ipanema, em Niteroi e Petrópolis.

O cantor Dorgi, de Osasco, animou mais uma vez a atividade em São Paulo, contagiando os passantes. Os verdes também distribuíram panfletos sobre o mal causado pelos agrotóxicos.

“Foi excelente o ato organizado pelo PV de Santos. Envolvendo grupos de vários gêneros e as pessoas ao passarem pelo evento recebiam mudas de temperos orgânicos produzidos em escolas e em comércios locais”, disse Patrícia.

marcha_3

Até o momento, foram quase 300 produtos autorizados pelo presidente Jair Bolsonaro. Seu governo foi o que liberou o maior lote de agrotóxicos, o que significa falta de responsabilidade, uma vez que pesquisadores insistem em afirmar que o uso de pesticidas na lavoura causa sérios danos à saúde da população e causa grande mal ao meio ambiente.

“É importante as pessoas tomarem conhecimento e posição quanto a liberação dos pesticidas. Vamos às ruas quantas vezes forem necessárias para lutar por respeito à saúde humana e saúde do meio ambiente. Temos o compromisso de informar a população sobre o mal que os agrotóxicos fazem na nossa vida, na nossa mesa. Eles envenenam e prejudicam nossas terras e águas.”, enfatizou Penna, presidente nacional do PV.

marcha_5

O Partido Verde entrou com ação no STF para reverter os registros autorizados por Bolsonaro.

Estudo realizado pelo Instituto Butantã revela que agrotóxicos, em qualquer dosagem, trazem danos à saúde. Os pesquisadores testaram a toxicidade de 10 pesticidas utilizados no Brasil em ovas de peixe-zebra e estes, em sua maioria, nasciam mortos ou deformados.

marcha_4

Dentre os pesticidas testados estava o glifosato, um dos mais utilizados na agricultura. Os cientistas se surpreenderam com o resultado final, indicando que todos os agrotóxicos testados podem ser letais para os seres humanos.

Especialistas da área da saúde revelam que nos últimos dez anos a intoxicação fez mais de cinco mil vítimas e todas elas são crianças.

PV de São Paulo convida para debate sobre acordo MERCOSUL e União Europeia

IMG-20190815-WA0068

Na segunda-feira (19/8), às 19 horas, o Diretório Municipal do Partido Verde da Cidade de São Paulo promoverá o primeiro debate aberto ao público sobre as perspectivas do acordo entre o MERCOSUL e a União Europeia. Local: Sede do PV Estadual. Avenida Nove de Julho, 3786, Jd. Paulista.

Palestrantes: Eduardo Jorge, médico sanitarista; Fábio Feldmann e Maurício Brusadin, ex-secretários de Meio Ambiente do Estado de São Paulo. A mesa será mediada pelo Presidente Municipal do PV, Roberto Tripoli.

IMG-20190815-WA0065

O objetivo deste debate visa responder se diante do tão sonhado acordo comercial será possível colocar um freio na atual política ambiental promovida pelo governo federal.

Diante dos horizontes de abertura comercial, o agronegócio moderno exigirá que o governo acabe com o desmatamento ilegal e proteja a Amazônia? Diante de uma
Europa que se preocupa com a emergência climática, o acordo permitirá que o governo brasileiro incentive o uso de energias renováveis e de biocombustíveis?

Essas são algumas das questões que serão abordadas no encontro. A ideia é que o diagnóstico e o prognóstico debatido sejam parte de um documento que será enviado para os verdes europeus e latino americanos, com o objetivo de construir um canal de diálogo entre os parlamentares do parlamento europeu e dos países membros, visando estabelecer uma troca de informações que subsidiem a tomada de decisão dos Partidos Verdes de todos os países do MERCOSUL e da União Europeia, sobre o acordo MERCOSUL/UE.

Após 20 anos de negociação finalmente a União Europeia e o MERCOSUL chegaram ao tão esperado acordo de livre-comércio. Mesmo com o anúncio, ainda existe um longo percurso pela frente, pois o acordo precisa ser ratificado pelo Parlamento Europeu e pelo Congresso Nacional de todos os países membros.

IMG-20190815-WA0067Com o objetivo de conter o avanço das mudanças climáticas, o acordo entre a União Europeia e o MERCOSUL conta com um capítulo destinado ao desenvolvimento sustentável, que obriga todas as partes a cumprir estritamente as condições do acordo climático de Paris.

Nas últimas eleições para o Parlamento Europeu, o Partido Verde surpreendeu, ocupando 75 dos 751 das cadeiras, representando a quarta maior força da legislatura que vai de 2019 a 2024.

O Partido Verde brasileiro está acompanhando com um olhar crítico a atual política ambiental implementada pelo Governo Bolsonaro. O afrouxamento na fiscalização ambiental provocou a elevação do desmatamento na Amazônia. Em outra frente, o PV entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal contra a liberação de agrotóxicos.

A radical mudança da política ambiental implementada pelo governo Bolsonaro coloca em risco a aprovação do acordo comercial entre o MERCOSUL e a União Europeia. Sem reverter os atuais retrocessos, os verdes europeus prometem dificultar a aprovação do texto.

IMG-20190815-WA0066

 

 

Filme “Queen” abre Mostra de Cinema da Índia na Unifesp Osasco

cinema_2

O coletivo Casaviva – cultural e ambiental Osasco lançou na noite desta segunda-feira (12/8), no Dia Nacional das Artes, a primeira edição da “Mostra de Cinema da Índia” com o filme “Queen”. As sessões são gratuitas com filmes entre aventura, comédia e drama. A mostra ocorre no auditório da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), campus Osasco. Os apaixonados pela sétima arte poderão assistir aos filmes em duas sessões: 15h e 19h.

A solenidade de abertura contou com a presença de Amit Kumar Mishra, cônsul geral da Índia em São Paulo; Puja Kaushik, diretora do Centro Cultural Swami Vivekananda; Carlos Marx, coordenador do Ponto de Cultura Casaviva; e Éder Máximo, secretário da Cultura de Osasco. Da Unifesp marcaram presença Ismara Izepe de Souza, professora doutora e coordenadora do curso de Relações Internacionais; Julio Zorzenon, vice-diretor acadêmico e professor de economia; representantes do Diretório Acadêmico XIV de Março e do Centro Acadêmico de Relações Internacionais.

“Para nós, a maior referência da Índia sempre é Gandhi, em vários aspectos, principalmente na promoção da cultura de paz e não-violência. O cinema indiano é muito criativo e o maior do mundo em termos de produção , mas com filmes pouco vistos no Brasil e essa mostra quer contribuir para mudar isso”, disse Carlos Marx, coordenador do Coletivo Casaviva, na abertura da mostra.

cinema_4

A professora Ismara Souza deu as boas vindas em nome do curso de relações internacionais e sublinhou a importância do desenvolvimento por meio da cultura para boas relações entre países. Lembrou que a Índia é destaque no grupo BRICS.

O vice-diretor acadêmico Julio Zorzenon sintetizou o papel da universidade na promoção e parceria em diversas atividades para o aprendizado e evolução da sociedade. “Estamos sempre de portas abertas para essas ações que trazem a comunidade para o nosso meio”.

cinema_5

Éder Máximo sublinhou o papel do cinema na expressão da sociedade, bem como para a economia. “O cinema é arte, é a memória de um povo, mas também é economia e cultura”.

O último a deixar sua mensagem foi o cônsul Amit Kumar que falou de seu contentamento com a iniciativa da Casaviva em promover a primeira mostra de filmes indianos em Osasco. “A índia produz 30 mil filmes por ano. Muitos filmes têm a temática feminista entre outras fo cotidiano das pessoas. Agradeço a oportunidade de fortalecermos laços de amizade do Brasil e a Índia. Com certeza, realizaremos outros eventos na cidade de Osasco”, resumiu.

cinema_3

A indústria cinematográfica Bollywood vem crescendo em ritmo acelerado, mais rapidamente do que a de Hollywood. Mais de 4 bilhões de pessoas assistem aos filmes de Bollywood. O que faz os filmes indianos serem únicos é sua temática, pois são melodramas com canções e muita dança. Mesmo que o filme indiano seja de horror ou drama familiar há seqüência de música e dança.

Na abertura houve apresentação de dança contemporânea com o grupo Bollywood Brazil. A “Mostra de Cinema da Índia” prossegue nos dias 14, 15, 16 e 17 de agosto. Endereço: Av. Sport Club Corinthians, bairro Jardim das Flores (portaria localizada ao lado da entrada principal do Parque Dionízio Alvarez Mateos, do Jardim das Flores).

cinema_1

Antes da abertura da mostra, o cônsul Amit Kumar visitou o gabinete do prefeito de Osasco, Rogério Lins. Estiveram presentes artistas, o secretário da Cultura, Éder Máximo, e seu secretário adjunto Paulinho Samba de Rua.

O prefeito Rogério Lins falou do respeito pela cultura indiana, expressando seu desejo em estreitar os laços de amizade e abrir perspectivas de futuras parcerias com a índia.

O cônsul Amit Kumar lembrou ser este seu primeiro compromisso com um prefeito do Brasil e propôs que Osasco seja a primeira cidade brasileira a ser cidade irmã de uma cidade da Índia.

cinema_6

“Muitas parceiras são feitas a partir da economia, do comércio, mas a cultura também é atrativa como essa mostra de cinema organizada pelo Carlos Marx, da Casaviva. A Índia em biotecnologia, softwares e medicamentos, e em outras áreas, tem algumas das maiores empresas do mundo. Nosso cinema é muito respeitado, assistido e admirado pela população”, disse o cônsul.

Carlos Marx lembrou que 12 de agosto é o dia nacional das artes e trazer a cultura da índia para Osasco motivou a aproximação com o Centro Cultural Indiano.

Na oportunidade, Puja Kaushik convidou a todos para as festividades do 73º Dia da Independência da Índia, no dia 15 de agosto, às 8h, no Centro Cultural Swami Vivekananda. Rafael Espadine, assistente do cônsul, fez a tradução simultânea tanto na visita ao prefeito quanto na solenidade de abertura do evento.

cinema_10

PROGRAMAÇÃO 14 DE AGOSTO

15H – FILME: BAHUBALI – O início
Duração: 169 minutos

Ficção, descreve uma batalha entre 2 irmãos. Bahubali Shiva é um órfão sendo criado pela tribo que o encontrou no meio de um rio, ajudado por uma mão solitária pertencente a uma misteriosa senhora. Ao ver os soldados mortos nas proximidades, eles entendem que o recém-nascido está em perigo e fecham o túnel que supõem ter sido percorrido pelas pessoas que perseguiram a estranha senhora. Shiva cresce tentando alcançar o topo da montanha, pois algo o atraía para lá, até que depois de adulto, ele consegue chegar e então, desvenda-se sua verdadeira história.

19H – FILME BAHUBALI – A conclusão
Duração: 167 minutos

Shivudu, o filho de Bahubali, está cada vez mais perto de conhecer sua verdadeira herança e encarar de vez suas novas responsabilidades. Querendo respostas para questões que fogem de seu conhecimento, como o real motivo por trás da morte de seu pai, ele encontrará uma barreira para os seus planos devido aos fatos de seu próprio passado.

A UNIFESP fornecerá certificado de extensão cultural aos estudantes universitários que preencherem, com antecedência, a ficha de inscrição disponível no link https://sistemas.unifesp.br/acad/proec-siex/index.php?page=INS&acao=2&code=16435

SAIBA MAIS
(11) 99652-8199, WhatsApp
www.facebook.com/casavivaosasco

 

PV paulista mobiliza lideranças em convenção e elege diretório estadual

PV_01

O Partido Verde do Estado de São Paulo realizou neste sábado (10/8) sua convenção estadual para eleição do seu Diretório Estadual para o biênio 2019-2021. O evento mobilizou centenas de pessoas entre dirigentes da legenda, deputados, prefeitos, vereadores, filiados, militância e simpatizantes.

Os 78 membros do Diretório eleitos hoje (60 titulares e 18 suplentes, contemplando todas as bacias regionais) posteriormente, elegerão a Direção Executiva Estadual do PV-SP. Há 18 cargos na executiva.

De acordo com o presidente da Executiva Estadual do PV, Marcos Belizário, a eleição do Diretório Estadual é em chapa única e as eleições dos diretórios municipais já estão ocorrendo em todo o estado. “Temos de respeitar e seguir o que rege o nosso estatuto”, resumiu.

A advogada e dirigente nacional e estadual Vera Motta disse que o PV superou os 30% de representatividade feminina e isso, por si só, é motivo de muita felicidade e gratidão. Sobretudo, de um trabalho desenvolvido pelas companheiras dos municípios.

O presidente nacional do PV, José Luiz de França Penna, discorreu sobre as últimas ações do governo Bolsonaro, enfatizando as liberações criminosas dos agrotóxicos, os olhos fechados para o aumento do desmatamento da Amazônia. “O ministro do Meio Ambiente é ministro da motosserra. Nossos movimentos contra os agrotóxicos estão surtindo efeito no país e o presidente e seus ministros já estão tentando se justificar”.

PV_04

O deputado estadual Reinaldo Alguz discorreu sobre ações que o PV pode fazer verdadeiramente e politicamente pelo país. “Temos um grupo forte que pode crescer muito”. Na questão ambiental destacou a ação do PV quanto à mudança do modal de transporte de cargas em São Paulo interligando através da ferrovia todo o estado com o porto de Santos e, com isso, reduzindo a poluição e o consumo de combustíveis.

Mariana Perin, dirigente do PV estadual e nacional, discorreu sobre a importância de “pensar e repensar o nosso papel na política em todos os âmbitos e, principalmente, pensar e repensar nosso papel e importância no PV”.

Ana Acilda, dirigente da executiva do PV-SP, pediu para que os homens ajudem a trazer mais mulheres para a legenda estimulando e apoiando as mulheres de seus ciclos familiares e de amigos a se envolverem na política.

Ricardo Silva, dirigente estadual, falou de respeito às pessoas e da lealdade de todos na construção e no fortalecimento do PV ao longo dos anos. “No mundo, o PV tem a oportunidade de fincar bandeira e demarcar território porque há anos levantamos a bandeira do meio ambiente e da sustentabilidade”.

PV_03

O ex-deputado estadual Chico Sardelli discorreu sobre o crescimento significativo do PV no mundo em especial na Alemanha. “Temos de estar preocupados com as próximas eleições mas principalmente com as próximas gerações “.

O deputado federal do PV- SP Enrico Misasi discorreu sobre a pauta ambiental tão em destaque hoje na mídia. Citou a falta de tratamento de esgoto e da criação da frente parlamentar para tratar desse tema. “Precisamos investir em tecnologia de biocombustível. Temos de fazer um esforço constante para articular e montar chapa para 2020″.

Regina Gonçalves, dirigente do PV Diadema, sublinhou a importância de fazer políticas públicas que contemplem as necessidades básicas das pessoas como, por exemplo, o saneamento. “Falar de saneamento é falar de saúde pública. Não é à toa que estão voltando doenças que há anos não ouvíamos falar. Não é simples ser mulher e fazer política. A mulher na política sofre preconceito sim mas é preciso resistir”.

Rogério Meneses, dirigente do PV Campinas, falou sobre a retomada e a nova cara da direção do partido onde a comissão eleita está contemplada com uma diversidade de pessoas para colocar em prática o crescimento da legenda. Essas pessoas farão planos de trabalhos para ampliar a representatividade do PV no estado. Discorreu sobre a gravidade da atual agenda socioambiental brasileira no Governo Bolsonaro e citou como está sendo feita a eleição, hoje, do Conama, excluindo a sociedade civil das decisões.

PV_05

O vereador da capital paulista Gilberto Natalini, falou que o PV tem obrigação de fazer tudo para combater o desmatamento. “Estão jogando por terra, derrubando criminosamente, os remanescente de Mata Atlântica no município de São Paulo. Grupos criminosos, aproveitando a inércia das autoridades municipais e estaduais, estão loteando e vendendo essas terras e isso não podemos permitir. É um prejuízo ao meio ambiente tão grave quanto o desmatamento da Amazônia”.

O médico sanitarista Eduardo Jorge, candidato presidencial do PV, membro dos diretórios estadual e nacional, foi o último a falar e abordou assuntos importantes que ainda serão temas daqui a 30 e 50 anos. “As grandes teses nacionais e internacionais são importantes, mas é importante também observarmos o que está acontecendo hoje em nossa casa partidária. Democracia e descentralização no PV são importantes para o nosso crescimento. É o que está sendo feito aqui em São Paulo pela direção estadual e agora será da responsabilidade de todos os dirigentes municipais. Nossa regra principal é cumprir o nosso estatuto e o nosso programa”.

Marcha nacional contra os agrotóxicos leva centenas de pessoas às ruas

veneno_04

O Partido Verde (43) promoveu a “Marcha Agrotóxico Mata”, na tarde deste domingo (4/8), com adesão de várias cidades brasileiras.

O ato contou presença de dirigentes e militantes do PV, artistas, ativistas da causa ambiental, profissionais da educação, empresários, estudantes, etc.

Em São Paulo a marcha ocorreu na Avenida Paulista, em frente ao MASP, e contou com a participação de verdes da capital e de cidades da região metropolitana. A ação teve apresentação do cantor Dorgival Nazaro (voz e violão).

Também marcaram presença o médico e ex-presidencial verde Eduardo Jorge; o presidente nacional do PV, José Luiz de França Penna; o porta-voz do PV Bacia seis, Carlos Marx; e o microempresário da construção civil Altonomista Bezerra,

Os participantes e ativistas distribuíram panfletos e conversaram com as pessoas. Também fizeram uso do microfone para expressarem seus descontentamentos relacionados aos registros e a liberação de pesticidas por parte do governo federal.

Em sua fala o presidente do PV, Luiz Penna, ressaltou a importância do enfrentamento do povo brasileiro contra os agrotóxicos na mesa das pessoas. E disse ser imprescindível que o povo coloque na mesa alimentos saudáveis como os orgânicos.

Eduardo Jorge falou do uso de pesticidas mais do que o permitido em alimentos nas feiras livres. Sublinhou a importância do ato, idealizado pelo Partido Verde, para pressionar o governo Bolsonaro e, sobretudo, alertar a população.

veneno_03

Muitos dos agrotóxicos liberados pelo governo federal botam em risco a saúde das pessoas e coloca em risco a saúde do solo, das águas, da fauna e da flora. Boa parte desses venenos foi abolida nas lavouras da Europa, dos Estados Unidos, da Austrália e do Canadá. Isto porque esses pesticidas atuam no desenvolvimento de células cancerígenas e compromete a saúde de pessoas, de animais e de plantas.

Pesquisadores de várias áreas do conhecimento são unânimes em afirmar que o Brasil é, hoje, o maior consumidor de agrotóxicos do mundo. Os agrotóxicos trazem sérias consequências, dentre elas a má formação genética, a microcefalia, problemas neurológicos, câncer, desregulação hormonal, contaminação do leite materno e óbitos. O consumo de agrotóxicos é resultado da adoção de um modelo de agricultura chamado agronegócio, que é dependente do uso de venenos.

veneno_05

Manguezais: berçário de animais e aliados contra as mudanças climáticas da Terra

Os manguezais são capazes de estocar mais que o dobro de carbono do que

as florestas tropicais como a Amazônia. Esses ecossistemas são importantes
reguladores do clima e são nossos aliados no controle do aquecimento global.

O Brasil é um dos maiores países do mundo em relação a área com manguezais. Esse
ecossistema está presente em apenas 1% do território do planeta, além de ser um
dos mais importantes em relação à produtividade. Os manguezais são um
verdadeiro berçário e fundamentais para o equilíbrio da vida na Terra.

manguezais_PV_Osasco

Marcha organizada pelo PV leva dezenas de pessoas à Avenida Paulista contra os agrotóxicos

Penna, presidente nacional do PV

Penna, presidente nacional do PV

Para promover a reflexão e o debate sobre os agrotóxicos, o Partido Verde promoveu na tarde deste domingo (21/7), na Avenida Paulista em frente ao MASP, a “Marcha Agrotóxico Mata” com adesão de dezenas de pessoas entre dirigentes e militantes do PV da capital e cidades da região metropolitana, representantes do terceiro setor, ambientalistas, educadores e artistas como o cantor e músico Dorgi, de Osasco.

Munidos de faixas, camisetas e bandeiras os participantes distribuíram panfletos e conversaram com transeuntes destacando a falta de responsabilidade e compromisso do governo federal com a saúde humana e ambiental ao liberar o registro de pesticidas.

agrotoxico_2

“Esta foi uma ação para mostrar à  população o descaso do governo federal com a saúde da população. É um protesto contra a liberação desenfreada de agrotóxicos promovida pelo Governo Bolsonaro”, sublinhou Carlos Marx, ambientalista e porta-voz da Bacia 6.

Carlos Marx,  dirigente PV Osasco e porta-voz PV Bacia 6 conversa com pessoas e distribui panfletos.

Carlos Marx, dirigente PV Osasco e porta-voz PV Bacia 6 conversa com pessoas e distribui panfletos.

“Entramos com embargo no Supremo Tribunal Federal (STF) para suspender esses perigosos venenos. Mas é pouco. Precisamos que toda sociedade diga ‘não’ porque nos envenenar é um suicídio coletivo. Cada um em sua casa dê preferência aos produtos orgânicos. Cada um em sua mesa faça exigência pela qualidade do alimento. Nós precisamos quebrar economicamente esses produtores insensíveis que enchem de veneno a mesa do brasileiro”, disse José Luiz Penna, presidente nacional do PV.

Dorgi, cantor e professor de música.

Dorgi, cantor e professor de música.

O governo de Jair Bolsonaro (PSL) vem acelerando a liberação do registro de pesticidas. A liberação de 42 defensivos agrícolas feita pelo Ministério da Agricultura vem preocupando ambientalistas, profissionais de saúde e pesquisadores do setor.

Raisa Alves, do PV Jovem.

Raisa Alves, do PV Jovem.

Estão no mercado mais de 200 agrotóxicos. Dos 42 aprovados por Bolsonaro, 23 são considerados altamente ou muito perigosos para o meio ambiente e 18 são extremamente ou altamente tóxicos para a saúde humana.

Entre os produtos liberados há um princípio ativo novo à base de Florpirauxifen-benzil. É o primeiro inédito aprovado em 2019.

agrotoxico_6

 

“Marcha contra os Agrotóxicos” neste domingo, na Avenida Paulista

 

IMG-20190716-WA0022

O Governo Federal liberou mais 42 agrotóxicos ampliando o recorde desde a posse de Bolsonaro. O número total de autorizações neste ano chega a 239.

Para promover a reflexão sobre o tema e impedir que mais agrotóxicos sejam liberados, o diretório Estadual do Partido Verde (43) convida militantes, dirigentes, terceiro setor e a população em geral para participarem de “Marcha contra os Agrotóxicos”.

A marcha será neste domingo (21/7), com concentração às 14 horas, na Avenida Paulista. Concentração em frente ao MASP (Museu de Arte de São Paulo – Assis Chateaubriand). O PV orienta dirigentes e militantes a levarem bandeiras, faixas e todos os adereços da legenda.

O crescimento de registros de novos venenos químicos para uso na produção de alimentos indica o interesse ruralista acima da saúde e do meio ambiente e, sobretudo, tem despertado o repúdio de ambientalistas e de profissionais da saúde no Brasil e no exterior.

O uso indiscriminado de agrotóxicos traz diversas consequências, dentre elas a má formação genética e a microcefalia.

Dos novos produtos liberados neste ano, quase metade, ou seja, 43%, é altamente tóxica. Dos 239 produtos, 31% são de agrotóxicos proibidos na União Europeia (UE).

“O Partido Verde vem atuando na esfera jurídica para impedir os registros de agrotóxicos que desrespeitam o direito à saúde, à alimentação da população brasileira e a proteção intrínseca do meio ambiente. Mas, entendemos que o caso exige ações públicas. Assim, chamamos nossa militância e amigos de outros partidos e de ONGs socioambientais, culturais, população em geral, pra esta marcha domingo, 21 de julho, na Avenida Paulista”, enfatiza José Luiz Penna, presidente nacional do PV.

Encontro de pontos de cultura da região oeste discute agenda comum, propostas para fortalecer o setor e ações em rede

PV_1

Ao longo deste domingo (7/7) ocorreu o “Encontro Regional Pontos de Cultura”, da região oeste da Grande São Paulo. Realizado na sede da Secretaria Municipal de Cultura de Osasco, o evento contou com a presença de militantes, produtores e coletivos culturais de dança, teatro, música, literatura, bem como do secretário da Cultura local, Éder Alberto Ramos (Éder B2).

pv_4

O coletivo Casaviva – cultural e ambiental, credenciado como ponto de cultura, esteve representado pela Banda Muirakitã, com música autoral e roda de ciranda, e pela poeta e performer Rosi Cheque, que interpretou “Carbono Azul”, poema de sua autoria que trata da questão dos manguezais e sua relevância na despoluição do ar e no combate às mudanças climáticas.

pv_6

Em pauta temas como edital de premiação Pontos de Cultura, comunicação entre os coletivos e pontos de cultura da região, formação de conselho popular de cultura, editais para o setor, Plano de Cultura (municipal, estadual e federal) e o fortalecimento dos diálogos e demandas com os gestores culturais.

pv_5

Em sua fala, Carlos Marx, da coordenação do Ponto de Cultura Casaviva, ressaltou a importância da comunicação e do uso das redes sociais para divulgar as atividades e agendas. Falou das ações realizadas na cidade e dos próximos eventos programados. “Precisamos fortalecer os laços e os compromissos de trabalhos em conjunto com estabelecimento de metas”, pontuou.

Éder B2, secretário da Cultura de Osasco, falou da relevância do encontro no sentido do fortalecimento regional e planejamento participativo.

pv_2

O evento contou com representantes de Pontos de Cultura das cidades de Embu das Artes; Carapicuíba; Santana de Parnaíba, Pirapora de Bom Jesus, além de Osasco.

Este primeiro encontro foi organizado pelos pontos de cultura Cia de Teatro Clareou (Osasco), Samba do Pé Vermeio (Santana de Parnaíba), coletivo Nós de OZ e Movimento de Dramaturgia Rural, com apoio da Secretaria de Cultura de Osasco.

SAIBA MAIS
Casaviva – cultural e ambiental
(11) 99652-8199
casavivaosascosp@gmail.com
www.facebook.com/casavivaosasco

 

Verdes participam de greve geral em Osasco

IMG-20190614-WA0029

Dezenas de pessoas se concentraram na manhã de sexta-feira (14/6),  em frente à estação da CPTM, com cartazes e faixas em adesão a greve geral  e manifestando repúdio à reforma da Previdência do governo Bolsonaro (PSL), bem como pela Educação e pelo Meio Ambiente. Participaram trabalhadores, estudantes, ativistas dos movimentos Sem Teto, Sem Terra, Cultura Popular. Houve, ainda, caminhada pelo calcadão Antonio Agu.

Segundo Carlos Marx, ambientalista e dirigente do PV Osasco, a greve é relevante porque é contra a reforma da Previdência Social, mas também é uma luta pela defesa da educação pública e contra o desmanche do Ministério do Meio Ambiente.

IMG-20190614-WA0024

Na luta contra cortes na Educação desde maio, estudantes, professores e funcionários de universidades e institutos federais também aderiram à Greve Geral.

Defensores do meio ambiente também participam da greve. Reportagem da BBC mostra estudo realizado por universidades estrangeiras, liderados pela ONG Conservação Internacional, que comprova que o Brasil, ao lado dos Estados Unidos, lidera a lista de 73 países que cometem retrocesso ambiental.

IMG-20190614-WA0018

O estudo analisou todos os atos governamentais que resultaram em redução de metragem, diminuição de restrições ou extinções de áreas de proteção ambiental em todo o mundo de 1892 a 2018.

Outra denúncia feita pela BBC aponta que 68% das áreas de proteção e indígenas da Amazônia estão ameaçadas para atender projetos de infraestrutura, planos de desenvolvimento econômico e atividades de exploração. O alarmante número é apresentado pelo estudo da Rede Amazônica de Informação Ambiental Georreferenciada (Raisg), sob a coordenação da ONG Instituto Socioambiental.

Raisa Alves e Carlos Marx, dirigentes do PV Osasco.

Raisa Alves e Carlos Marx, dirigentes do PV Osasco.