Presidente do Partido Verde fala sobre a tragédia em Brumadinho

Penna_PV_Desastre_BrumadinhoClique aqui  e  assista ao vídeo.

 

Crime ambiental: barragem da Vale se rompe em Brumadinho, na região metropolitana de MG

Responsáveis pela empresa Vale devem ser criminalizados pelas mortes e presos o mais rápido possível.

BRUMADINHO

Uma barragem da mineradora Vale se rompeu na tarde de sexta-feira (25/01), em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Um mar de lama avançou sobre a área administrativa da empresa e casas da região do Córrego do Feijão. O rompimento de barragem é considerado, por ambientalistas, crime ambiental e humano. Dezenas de pessoas morreram e muitas estão desaparecidas.

A lama seguiu rumo ao rio Paraopeba, um dos principais afluentes do São Francisco. Parte do abastecimento da Região Metropolitana de Belo Horizonte é feita com a captação da água do Paraopeba. A Copasa afirmou que está suspensa a captação da água do rio Paraopeba em Brumadinho e que o abastecimento da população atendida pelo sistema Paraopeba está sendo realizado por outras represas e pelo Rio das Velhas.

O rompimento provocou o transbordamento de outras duas barragens. Os bombeiros afirmaram que vazaram 13 milhões de metros cúbicos de rejeito de minério. Essa barragem que se rompeu é chamada de barragem à montante, mesmo tipo da barragem de Fundão. O alteamento delas é feito com o próprio rejeito e em direção à barragem. Especialistas em mineração alertam que elas são as mais comuns e mais baratas.

A lei que instituiu a Política Nacional de Segurança de Barragens (PNSB) precisa de revisão para ser aperfeiçoada. Criada em 2010, a PNSB tem, entre as metas, garantir a observância de padrões de segurança para reduzir a possibilidade de acidentes em barragens.

A lei prevê, entre outras obrigações que devem ser cumpridas pelas empresas: elaboração adequada de um plano de ação de emergência (PAE); elaboração de um plano de segurança da barragem; realização de inspeções e revisões periódicas de segurança.

O QUE SE SABE ATÉ O MOMENTO

• Há ao menos 58 mortos, segundo os bombeiros; 192 sobreviventes foram resgatados
• De acordo com a Defesa Civil, 305 pessoas estão desaparecidas – entre moradores locais e funcionários da Vale. No sábado, a Vale divulgou uma lista com nomes de pessoas que não foram encontradas
• Familiares de desaparecidos buscaram informações no IML de BH. Uma força-tarefa foi formada, mas a identificação dos corpos é difícil;
• Dezesseis corpos foram identificados
• Bombeiros divulgaram lista de 183 nomes de pessoas que foram achadas vivas

 

Há exatos 33 anos era fundado, no Brasil, o Partido Verde!

33_anos_partido_verde_2019

O Brasil estava começando a trilhar os caminhos da democracia após mais de 20 anos de uma longa ditadura militar.

Com raras e louváveis exceções, não se discutia profundamente a agenda ambiental.

Grande parte de nossa população não tinha acesso à água tratada em suas casas. Esgoto coletado e tratado era ainda mais raro, atendendo uma pequena parcela dos domicílios brasileiros!

As ruas de nossas metrópoles eram verdadeiras lixeiras a céu aberto, onde toda espécie de lixo era jogado sem qualquer culpa ou preocupação.

As florestas, parques e áreas verdes eram vistas como impedimento ao crescimento, ao desenvolvimento urbano das cidades…

Sem falar em temas mais abrangentes como a contaminação das águas, a poluição do ar, a perigosa ocupação de encostas e beiras de rios, contaminação do solo, emissão de gases do efeito estufa, aquecimento global e muitos, muitos outros temas relevantes para a qualidade da vida humana.

Nestes 33 anos, o Partido Verde contribuiu decisivamente para a sensibilização dos brasileiros quanto à importância de se estruturar um sistema nacional de meio ambiente focado na educação ambiental, programas de conservação da natureza, respeito aos nossos biomas, fiscalização das atividades licenciadas, promoção da recuperação ambiental de áreas degradadas, o respeito aos povos nativos e populações tradicionais, além de buscar harmonizar o desenvolvimento econômico com a justiça social e a preservação ambiental!

Nesses anos, o Brasil assumiu grande protagonismo global na questão ambiental! Constituímos um arcabouço legal muito complexo e atual, pelo acúmulo de gestões públicas e de organizações não governamentais, tanto em nível nacional quanto nos níveis estaduais e municipais, além de grande envolvimento da sociedade brasileira!

Sediamos a Rio’92, a Rio +10 e a Rio +20!

Lamentavelmente, hoje, não estamos aqui para festejar pois grande parte dos muitos avanços conquistados estão sendo descartados como supérfluos fossem!

Vivemos tempos sombrios na área ambiental e nos direitos individuais, precisamos estar atentos e mobilizados para evitar que tanto trabalho, compromissos e vidas perdidas neste período (Chico Mendes, Herbert Daniel entre tantos ) não sejam desperdiçados facilmente!

Mais do que nunca precisamos do compromisso militante de quem, como nós do PV, acredita na importância da luta pela manutenção e ampliação dos direitos das minorias, dos povos indígenas, das populações tradicionais e preservação ambiental.

Fonte: http://pv.org.br

PV_Osasco_feliz_Natal_2018

Frente Brasil Popular Oeste Metropolitano promove oficina sobre uso das Redes Sociais

Casaviva_cultural_ambiental_PV_Osasco_01

Para oferecer informações sobre uso de imagens, texto, áudio e vídeos nas redes sociais, assim como estratégias de mobilização em rede, a Frente Brasil Popular Oeste Metropolitano/SP promoveu ao longo deste sábado (15/12) no Sindicato dos Empregados no Comércio de Osasco e Região (Secor) oficina sobre uso das redes sociais.

A atividade, realizada pela Nova Onda Comunicação, teve como oficineiro Jeferson Martinho, jornalista com especialização em marketing digital e comunicação sindical e diretor da Nova Onda Comunicação.

Dentre os participantes jornalistas, dirigentes partidários comunicadores, movimentos populares, sindicatos, setoriais sociais e representante de instituições como Carlos Marx, presidente do PV Osasco e coordenador da Casaviva – cultural e ambiental. Também Cida Lopes, o professor Antônio Carlos Roxo, Cabrine, Lia, Joelson, Aldo e demais articuladores da FBP OM.

No período da manhã foram abordados os seguintes temas: noções de redes e mídias sociais, tipos de conteúdos e construção da presença digital, utilização das redes para mobilização e como reforçar sua rede, criar conteúdos e usar ferramentas para o diálogo com a comunidade.

Casaviva_cultural_ambiental_PV_Osasco_02

Na parte da tarde foi abordado o tema “A dinâmica do vídeo nas redes sociais” com foco no vídeo como ferramenta de defesa do cidadão, ferramentas e técnicas para criar vídeos interessantes para seu público.

“O que importa na internet não é a qualidade técnica dos grandes produtores ou TVs, mas a criatividade. Para vídeos o ideal é usar cartão de memória classe 10. Nos vídeos para as redes sociais o que desperta o interesse é a boa ideia, o roteiro, iluminação e enquadramento. O tempo varia, por exemplo, no Facebook o tempo máximo de um vídeo é de três minutos e no Instagram até um minuto”, disse Jeferson Martinho.

Casaviva_cultural_ambiental_PV_Osasco_03Os participantes fizeram uso de dois aplicativos: Rascunho e Vídeo Show. São diversos os aplicativos gratuitos, bons de grande uso e voltados para edição de texto, fotos e de vídeos.

No geral, os participantes gostaram muito da oficina e pretendem fazer uso das ferramentas apresentadas para melhorar a comunicação nas mídias sociais.

Casaviva_cultural_ambiental_PV_Osasco_05

Acabou o toma lá dá cá?

Penna_dez_2018Tenho participado de discussões e acompanhado de perto as análises políticas depois do cataclisma que foram as eleições de outubro. Em geral, o clima é de rescaldo: a busca por um caminho que refaça o sistema político-partidário. Refiro-me a quem tem a responsabilidade de promover uma revisão crítica do processo. Porque há setores da esquerda que preferem a política do avestruz, como se nada tivessem a ver com isso.

Mas o que chama atenção no que tenho lido é a derrota ser creditada à falência dos partidos. Acho que é um erro. A insolvência partidária é consequência, não causa do esvaziamento da política. A descaracterização e corrompimento de suas instâncias derivam da ação de um poder central, absolutista, vocacionado para cooptar como princípio de governabilidade.

Em nome dela os governos que se sucederam nos últimos vinte e quatro anos engalfinharam-se em uma luta pelo poder sem fim. Pra isso, multiplicaram o número de siglas à sua conveniência, fragmentaram e compraram bancadas congressuais para conquistar maioria, atuaram no atacado e no varejo parlamentar. Esse é o desenho do presidencialismo de coalizão, que tem imperado em nossa democracia recente. E o cenário ideal para fazer qualquer democracia ir para o ralo.

O fato é que a social democracia brasileira não conseguiu nesse período reverter nossa condição de estado excludente. Embrenhou-se num socialismo populista e não conseguiu responder às necessidades básicas do país. A desigualdade é crônica. Mais de quinze milhões de pessoas ainda vivem em condição de extrema pobreza. O apartheid se ampliou, com a marginalização crescente das minorias étnicas. O estado corrompido mostrou-se incapaz de prover saúde, educação e acabou acuado na segurança. Junte-se a isso o sentimento de faca nos dentes da classe média desaguamos na era bolsonarista.

Hoje, constatamos a negação do que seja uma democracia representativa. Estigmatizados, os partidos foram marginalizados na composição do novo governo e as alianças, seladas com bancadas setoriais, com destaque para o trio: bala, bíblia e boi, que já impõem seus interesses corporativos na definição das políticas governamentais.

O que vem pela frente ainda é uma incógnita. Mas temos sinais de retrocesso em várias frentes, como no meio ambiente, na cultura, na educação e nas relações exteriores, com o anúncio de diretrizes marcadas por um ranço fundamentalista e isolacionista.

Restaurar o sistema representativo e refazer o pacto social vão demandar sangue, suor e estratégia. Acho que a primeira coisa é fortalecer os partidos, fazendo com que eles readquiram organicidade e ação programática. E a partir daí caminhar em direção ao parlamentarismo, quebrando esse modelo presidencialista de cooptação. É isso ou, ao contrário do que vendem, vamos continuar reféns das práticas fisiológicas. Agora, com novos inquilinos no Planalto.

Fonte: http://pv.org.br

ANINAIS_2018

Secretaria da Cultura divulga lista dos habilitados em chamada de seleção do edital de premiação Pontos de Cultura

lista_pontos_de_cultura_2018Foi publicada nesta quarta-feira (5/12) no Diário Oficial do Estado (DOE) a lista dos habilitados do edital de premiação Pontos de Cultura. Confira no link https://www.imprensaoficial.com.br/#05/12/2018

Aos interessados, reler o item do Edital que rege a apresentação de recursos.
10. DA HABILITAÇÃO

10.6. Aos candidatos inabilitados caberá pedido de reconsideração à Comissão Técnica de Habilitação, no prazo de 05 (cinco) dias corridos, contados a partir da data de publicação do resultado desta fase, exclusivamente por meio de formulário (Anexo 5) a ser enviado exclusivamente para o e-mail: editalpontosdecultura@sp.gov.br.

10.7. O pedido de reconsideração que tenha por finalidade encaminhar documentação que não foi entregue no prazo previsto de inscrição, neste regulamento, será indeferido.

10.8. A análise do pedido de reconsideração constará em ata da Comissão Técnica e o resultado final da etapa de habilitação será publicado no Diário Oficial do Estado e no endereço eletrônico da Secretaria: www.proac.sp.gov.br/pontosdecultura.

Avama incansável na luta por justiça após cachorro “Manchinha” morrer vítima de espancamento por segurança do Carrefour Osasco

cadelaA Ação pró Vida Animal e Meio Ambiente (Avama) e demais protetores de animais estão realizando diversas ações públicas pedindo justiça pela morte do cachorro Manchinha. Imagens de câmeras de segurança registraram o momento em que um segurança da rede de hipermercados Carrefour, em Osasco, agride o animal que faleceu logo após ser resgatado.

O caso aconteceu no dia 28 de novembro e nos vídeos que circulam nas redes sociais é possível ver o segurança correndo atrás do animal com o que parece ser uma barra de alumínio. Depois, o bicho aparece mancando e sangrando na pata esquerda.

Em seguida, um funcionário da Prefeitura de Osasco usa um enforcador para imobilizar o cão e levá-lo. O cachorro chegou a ser socorrido por veterinários do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), mas não resistiu ao ferimento e morreu.

Segundo Jacy Malagoli, fundadora e coordenadora da Avama, o que fizeram com o animal é um crime hediondo e Osasco e o Brasil pedem justiça. Cada vez mais é preciso intensificar as fiscalizações de proteção animal contra os maus-tratos.

Uma versão de atropelamento chegou a ser levantada, mas logo foi contestada por outros funcionários que teriam testemunhado o ocorrido e dito que o animal teria sido agredido a pauladas. O artigo 32 da Lei de Crimes Ambientais (nº 9.605/98) considera crime as práticas de abuso, ferir ou mutilar animais domésticos, silvestres, nativos ou exóticos e que podem render pena de detenção de três meses a um ano, além de multa.

O Partido Verde (PV, 43) repudia qualquer tipo de violência e maus tratos aos animais. O dirigente do PV Osasco, Carlos Marx, lembra que a sigla tem atuado em várias frentes em prol dos animais. Em 2012, o deputado estadual verde Roberto Tripoli, por exemplo, conquistou o primeiro hospital público veterinário, totalmente gratuito, para cães e gatos. E, em 2014, conseguiu que a prefeitura instalasse a segunda unidade.

DESDOBRAMENTOS DO CASO

A rede de supermercados Carrefour e o segurança da loja de Osasco serão processados criminalmente. A ação será movida pela Associação dos Advogados Criminalistas do Estado de São Paulo (Acrimesp).

O caso é alvo de um inquérito policial da Delegacia do Meio Ambiente de Osasco e também está sendo apurado pela Subsecretaria Estadual de Defesa Animal. O supermercado será processado por dano moral e a idéia dos protetores é que a empresa seja obrigada a fazer uma doação de R$ 500 mil reais para uma campanha gratuita de castração animal na cidade, através de entidade local.

consciencia_negra_Partido_Verde_2018